Autoconhecimento na TelaDestaque

Amar a si mesmo

*Imagem Ilustrativa

Por: *Maria José Etelvina dos Santos

Durante os anos de docência em Psicologia nas diversas instituições de ensino superior da Bahia, observei o quanto não gostamos de nós e o quanto praticamos o auto abuso fazendo coisas que não nos agradam, se auto sabotando, permanecendo em relações tóxicas, experimentando escassez financeira e emocional, não escutando nossa voz interior, nos negando tudo que poderia fazer bem, que alegrasse a nossa alma e nos impulsionasse para uma vida plena, realizada, e, repleta de satisfações.

E por que é difícil nos amar? O que há por trás dessa dificuldade? Algo que deveria ser natural, inclusive uma obrigação, passou a ser trabalhoso e muito difícil conseguirmos em nossas vidas.

Na Bíblia está escrito: Amar ao próximo como a ti mesmo. Meu Deus!!! É uma ordem, é bíblico, mas, mesmo assim, não escutamos e não nos esforçamos para compreender o porquê de não nos amarmos. E vamos levando uma vida mais ou menos; uma vida fria, cheia de dificuldades, e tristezas que explicamos racionalmente como: A vida é assim mesmo, é porque Deus quer assim. Será??? Será que Deus quer sacrifício, infelicidade, doença, tristeza, escassez e auto abuso??? Nos acomodamos ao modus vivendi e repetimos as vidas angustiantes de nossos pais e antepassados, somos meras xerox do que houve no passado com nossa linhagem ancestral.

Amar a si requer aceitação de tudo que fomos e de tudo que houve em nossa vida, aceitar nossos pais como foram e são, aceitar nossos familiares, aceitar nosso passado integralmente, sem queixas, reclamações e saindo do papel de vítima, do coitadinho de mim, requer se responsabilizar pela própria vida e amadurecer, sair da criança ferida, abusada, humilhada, bulinada, agredida, rejeitada, abandonada ou seja lá o que aconteceu no passado.

É preciso coragem para se amar, amar tudo que houve, da forma que aconteceu, amar a sombra com todas as nuances do ego, amar os defeitos, as imperfeições, os medos, as vergonhas, a timidez, amar não ser perfeito. Aceitar tudo que há em nós: O corpo do jeito que é, a mente condicionada em hábitos nocivos e que não temos forças para mudar, o comportamento disfuncional e que não conseguimos dizer não porque logo caímos no vicio estabelecido pelas repetições, aceitar os fracassos, os acordos não cumpridos consigo mesmo, as incoerências existentes em nós.

SIM!!! A chave para se amar de verdade é aceitação, perdão e coragem para admitir que não se ama e que é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, mas sabendo que para amar as pessoas, necessário se faz amar a si mesmo primeiro incondicionalmente. O convite é aprender a se amar, é olhar para si com amorosidade e trilhar o caminho da auto aceitação.

Estamos aqui para te ajudar.

*Maria José Etelvina dos Santos é Psicóloga, Biopsicossomatista, Mestre em Educação Emocional, Professora Universitária.

**Atende na CLIMFISIO- (753621-3177

Deixe seu comentário... é importante para nós!

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: