Autoconhecimento na TelaDestaque

Péssima Companhia para si mesmo

Na verdade convivemos conosco toda a nossa vida, mas, quão bondosos somos conosco? Será que nos criticamos mais do que nos amamos? Imagina conviver a vida toda com alguém que só te critica, coloca para baixo, desempodera? Quão a vida pode ser terrível, um inferno se convivermos com alguém pessimista, crítico, negativo e mal-humorado?

Pasmem! É assim que nos tratamos, que convivemos conosco mesmos, que nos relacionamos conosco. Triste verdade.

Além de triste, é destruidor, é infernal. Vivemos em um passado onde nos julgamos o tempo todo como falíveis, não merecedores de nada que seja bom, fracassados, ruins, péssimas pessoas, não confiáveis, desonestos, tristonhos, e, críticos severos de nosso comportamento nesse passado. Somos juízes severos com nossas atitudes e com tudo que aconteceu em nosso passado. Carregamos culpa, vitimismo, fracasso, tristezas, feridas que não fecham nunca. Tudo aconteceu há tanto tempo, mas lembramos como se fosse hoje, e, o ódio volta, a raiva, o ressentimento, a mágoa, a desilusão, como se esses sentimentos fossem fazer mal ao outro, é a vingança privada. Tudo isso está acontecendo no mundo interno e só pode atingir quem a sente. Todo esse veneno são destilados na corrente sanguínea e só pode fazer mal a quem o possui e alimenta.

Por que é tão difícil desapegar do passado? Desapegar das memórias traumáticas, tristes, solitárias, de rejeição, de abandono, dos ódios, das mágoas, e seja o que for que sentimos em relação ao passado? Parece que transformamos todo esse veneno em bichinhos de estimação por ser tão difícil desapegar, soltar, perdoar e seguir a vida em paz.

Atendo pessoas com todo esse veneno dentro de si e dizem que não conseguem perdoar, porque era apenas uma criança e que teria que ser tratada com respeito e dignidade. Mesmo que esclareça que para uma criança ser tratada com respeito e dignidade precisa que os adultos que cuidem dela, sejam saudáveis emocionalmente, porque um adulto que machuca, humilha, abandona, rejeita, traumatiza uma criança é porque é insana, doente, e precisa de tratamento, ainda com toda essa explicação, não conseguem perdoar, soltar, se livrar do jugo e das memórias do passado. Algumas conseguem soltar, perdoar e seguir a vida em paz, mas muitas não. [Elas] ficam presas, sentenciadas por elas mesmas, a viverem uma vida de penúria, sofrimento, doenças e desencontros com a vida.

Seria tudo tão fácil, se as pessoas compreendessem que a vida para dar certo só necessita da ação delas sobre a vida, de voltar o olhar para si mesmas, de se auto observar e compreender que elas mesmas podem ser suas curadoras e protagonistas de suas vidas.

Na sua maioria todos são [es]tão resistentes a mudar. Querem mudanças em suas vidas, mas não querem mudar. É mais fácil colocar a culpa no outro, no sistema, nos pais, na vida, em Deus e assim por diante. Terceirizamos nossa dor e ficamos presos em nosso sofrimento.

A liberdade ocorre quando buscamos suas fronteiras para alcançar a terra prometida. Tudo em nossas vidas depende de nós. Somos nós com nossas crenças e valores internos que delineamos nossa existência.
A vida é sábia e justa para quem tem olhos para ver. A vida é um caos para aqueles que vêm apenas com os sentidos que são falhos em suas percepções da realidade. Vivemos na realidade fantasiada pela mente e fugimos da realidade presente no aqui e agora de nossas vidas.

Somos comandados pelos ditames e pensamentos da mente. Seguimos a mente como um cachorrinho segue seu dono. Achamos que somos o que surge na mente, mas não somos. Somos seres multidimensionais, com habilidades maravilhosas, mas estamos condicionados por nossas dores do passado e pelo que nossa sociedade impõe como certo e errado. Não questionamos nada, não duvidamos de nada. Acreditamos no que a TV noticia como sendo a verdade absoluta, acreditamos em nossos pais, professores, patrões, vizinhos, médicos, políticos, etc. Somos muito ingênuos em acreditar em tudo e todos e nunca em nós mesmos.

Conhecereis a verdade e a verdade te libertará! Se aventure em conhecer a sua verdade! Quem é você? Estou aqui para te ajudar nesta caminhada, nesta jornada de descobertas e deslumbramentos.

*Maria José Etelvina dos Santos, é Psicóloga, Biopsicossomatista, Mestre em Educação Emocional e Professora Universitária. CRP 03/01436 – Contato: Whatsapp (71) 9.9206-4920. Siga-nos no Instagram: @auto.observacao.

  • Textos assinados, são de responsabilidade de seus autores!

Deixe seu comentário e compartilhe

Botão Voltar ao topo