MunicípiosNotícias

Atendimentos por explosão de bomba sobem no período junino no HGE e no Regional de SAJ

*Texto: Ascom/SesabGovBa

O mês de junho chegou e muita gente já está com a cabeça no São João. A festa popular é sinônimo de música, cultura e gastronomia típicas, e também muita alegria. No entanto, é também de um grande volume de atendimentos em unidades de saúde por conta de acidentes com fogos de artifício, muitos deles graves.

Nos últimos 10 anos, o mês de junho já chegou a concentrar 68,38% de todos os atendimentos por explosão com bomba no Hospital Geral do Estado (HGE), referência nos cuidados com ferimentos provocados por explosões e queimaduras. Foram 166 atendimentos em todo o ano, sendo 105 em junho. A menor percentagem do mês no levantamento histórico é de 40,84%, em 2020, primeiro ano da pandemia e quando não houve festejos juninos públicos em toda a Bahia. Foram, em todo o ano, 71 casos de explosão com bomba atendidos no HGE, com 29 deles no mês de junho.

Nós temos consciência desse aumento na demanda e, por isso, reforçamos nossas equipes para o atendimento aos baianos no mês de junho para casos de explosão e queimaduras. Sabemos da questão cultural do nosso povo, mas não podemos deixar de alertar sobre os perigos no manuseio de fogos de artifício e dos danos que os acidentes causam”, analisa a secretária da Saúde do Estado Roberta Santana.

PUBLICIDADE

No ano passado, foram 110 atendimentos por explosão com bomba, sendo 57 no mês de junho (51,81%). Já em 2023, até o final de maio, foram apenas 12 atendimentos pelo mesmo tipo de ocorrência.

Um fator que pode ter contribuído para a redução na quantidade de casos de atendimento é a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de 2019 que reafirmou a proibição da guerra de espadas. Em 2018, haviam sido 130 atendimentos, com 73 (56,15%) em junho. No ano seguinte, o número caiu para 79, com 49 atendidos em junho. A proporção no mês é semelhante a 2018: 59,49%.

Temos uma equipe multiprofissional de prontidão. É a rotina da gente. São mais de 400 cirurgias de mão por mês, um dos maiores índices do país e, em junho, são somados mais casos relacionados a fogos de artifício. É triste porque tem muita criança exposta”, avalia o médico-cirurgião Marius Wert, coordenador do Serviço de Cirurgia de Mão do HGE.

A média anual de atendimentos, que chegou a ser de 14 pessoas/mês, em 2014, se manteve estável em 6 por mês entre 2019 e 2021, voltando a crescer em 2022, com 9 atendimentos por mês.

Já em todo o Estado da Bahia, nos últimos cinco anos, foram 464 internações – casos mais graves – devido a explosões com bomba. O mês junho responde por 26,1% dessas internações.

No Regional SAJ

(Foto: Reprodução/Divulgação)

No Hospital Regional de Santo Antônio de Jesus (HRSAJ), outra unidade estadual de referência nos atendimentos relacionados a fogos de artifício, o São João também registra um alto número de ocorrências.

Entre 2013 e 2020, no período entre 20 e 25 de junho, a média é 14 atendimentos por queimaduras relacionadas a fogos de artifício (em 2018, os números para a média foram registrados somente entre os dias 22 e 25). Em 2021, entre 20 e 29 de junho, foram 10 ocorrências e, no ano passado, entre 20 e 30 de junho, ocorreram 19 registros. Na última década, a média anual de registros de queimaduras relacionadas a fogos de artifício no HRSAJ é de 218 ocorrências.

Queimados

O número de atendimentos de queimados no HGE no mês de junho nos últimos 10 anos também é acima da média anual. As exceções são apenas os anos em que não houve festa junina pública, por conta da pandemia: 2020 e 2021. O ano de 2019 é o recordista de atendimentos, 207 dos 1.951 totais, ou seja, 10,6%. A percentagem é a mesma de 2014, quando 177 dos 1.655 atendimentos por queimaduras no hospital aconteceram no mês de junho.

Possuímos equipe multiprofissional especializada disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana e treinada especificamente para o tratamento de queimaduras. O Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) do HGE está preparado para atender casos de acidentes durante o São João, especialmente relacionados a queimaduras causadas por fogos, assim como de outras causas”, afirma o cirurgião plástico Marcos Barroso, coordenador do CTQ.

PUBLICIDADE

Na média mensal de atendimentos, 2019 também se destaca, com 163 pessoas atendidas em média/mês, seguido por 2014 (161 atendimentos em média/mês) e 2018 (158). O ano de 2020, no levantamento histórico, é o período com menor média. Foram 128 atendimentos em média/mês. O total foi de 1.535 pessoas com queimaduras, sendo 97 no mês de junho (6,3% do total).

Em 2022, o HGE recebeu 1.756 pessoas com queimaduras, sendo 151 delas em junho (8,6%). Neste ano, até o final de maio, foram 673 ocorrências por queimadura na unidade de saúde.

Nossa reputação como um dos melhores CTQs do Brasil é um reflexo do compromisso com a excelência no tratamento de queimaduras e na promoção da saúde. Estamos preparados para atender qualquer demanda da população neste mês de festividades juninas”, garante Barroso.

Deixe seu comentário e compartilhe

Botão Voltar ao topo