Municípios

Luciano Passos viveu intensamente, a sua Terra

*Por: Hermes Peixoto (Agá Pê)

Luciano Passos nasceu em Cruz das Almas, na Fazenda Campo Limpo, num dia 04 de maio de um ano mágico. Segundo ele, ‘na fazenda não era noite nem dia, a malhada ainda dormia, a luz que havia era dos laranjais e um forte cheiro de verde do fumo passeava nos quintais‘. Nasceu poeta, mas também foi fotógrafo, advogado, Procurador da União, vereador por três mandatos, professor de OSPB, e autor dos livros Casulo de Vidro, Cavalo Estrelado, Corpo Aceso, Língua Bailarina, Cruz das Almas Estrela Guia e Lençol Perpétuo, Santa Cruz dos Laranjais e Imagens do Silencio e em 2021 viu toda a sua obra reunida pela Editora Mondrongo, em um só volume chamado Poesias Completas.

Segundo [o escritor e jornalista baiano] Fernando Coelho, “Luciano Passos, como cancioneiro do sangue e da volúpia, destila-se, ele mesmo, visionário do húmus do tempo, em passagens secretas pela alquimia do amor, do estrebuchar-se em sinos da dúvida, em recolher-se, com perfeição, ao desespero das cicatrizes”.

– A poesia não é fingida na lavra de Luciano. Ela é toda íngua, ferimento que viaja todas as profundezas imemoriais dos encontros, todos os interlúdios que existem entre a relva e o pelo amado, entre a lua e o destino da solidão. A poesia do poeta Luciano Passos é perigosa porque se transforma num cálice cheio de cumplicidade para que com os olhos de meteorito, enxerga a pequenez do ser e a grandeza do nunca e, ainda assim, resolve deitar-se num alpendre de palavras e aprender a ruminar as urtigas do amor.

[Luciano Passos] viveu intensamente a sua terra mesmo no dizer dele: “Nestas esquinas da minha Cruz, esperei a vida, bebi, gole por gole, a esperança. Aqui começa e acaba a estrada, onde chegaram e partiram meus janeiros e onde um dia eu dormirei sem pesadelos“.

Num dia 14 de novembro de 1997, aos 53 anos, deixou o Campo Limpo e dormiu sem pesadelos no Campo Santo da sua amada Cruz das Almas.

Quer saber mais sobre Luciano? Visite a Casa da Cultura [Rua 15 de Novembro, 56] que está prestando uma homenagem ao poeta, num varal de poesias exposto no seu hall de entrada, durante este mês.

******

*Hermes Peixoto, é poeta, escritor, membro da Academia Cruzalmense de Letras e atual presidente da Fundação Galeno d’Avelírio.

Deixe seu comentário e compartilhe

Botão Voltar ao topo