DestaqueEditorial

Cruz das Almas: ruas não identificadas e pavimentações danificadas

*Editorial – Por: Dell Santana

É lógico que não vamos creditar essas deficiências na conta do atual governo municipal, iniciado em janeiro de 2021. Porém, não o isentamos totalmente, visto quê, esse grupo já fez parte de outras gestões anteriores e o próprio prefeito Ednaldo Ribeiro, já administrou o município por quase dois anos (2014/2016).

O fato é que ao longo dos anos, Cruz das Almas, umas das mais belas cidades do Recôncavo Baiano, foi crescendo. Novas ruas foram criadas. E com elas, dois problemas surgiram: ruas sem placas de identificação (ou algumas em locais inapropriados) e pavimentações em paralelepípedo danificadas. – E o mais incrível é que, em pleno século 21, com tanta evolução e modernização experimentadas pela humanidade mundo afora, por aqui, os gestores ainda insistem em calçar as vias urbanas com pedras. Por quê será? Não sabemos!

Basta circular por aí à pé, de bike, carro, moto, etc, que os desníveis encontrados ao longo dos caminhos, até cego (com todo respeitos aos cegos e cegas) consegue perceber. Parece que só quem não enxerga isso, são os gestores (atuais e anteriores) e seus respectivos secretários de infraestrutura.

Passando por locais como esses dessa foto (e a outra do topo), onde fizemos essas imagens para ilustrar nossa narrativa, não encontramos nenhuma placa com os nomes das respectivas ruas. Isso acontece em quase toda a cidade. Se alguém conhece esses trechos ou outros aí por onde você circula, favor escreva abaixo no final desse texto, no espaço para os comentários.

Não sabemos se por miopia administrativa dos gestores (sai um, entra outro), eleitos para cuidar, entre outras coisas, das vias públicas, parecem fazerem ‘vistas grossas‘ para não perceberem o que todos que transitam pela cidade, seja na região central ou pelas periferias, estão cansados de ver. Ruas esburacadas e sem sinalização. Somos obrigados ficar perguntando: amigo(a), que rua é essa?

Quanto aos buracos, bom, nós leigos não sabemos se são causados por problema no solo, ou por serviço mal feito (com a resposta, os especialistas). Em alguns pontos, parece ser por obra da Embasa. Sendo isso, a prefeitura deve notificá-la. Até porquê, certamente essas crateras devem causar algum prejuízo, principalmente aos donos de veículos. Bom, mas aí, são eles (os proprietários dos veículos) e ou outras classes que também se sentirem afetadas, quem têm que se manifestar.

Por sua vez, a Câmara de Vereadores tem sido omissa. Pelo menos nessa legislatura, não percebemos nenhum(a) vereador(a), fazer qualquer menção a respeito desses problemas (porventura algum(a) do(a)s senhore(a)s tenha se manifestado em plenário e este editor esteja equivocado) o espaço no site está disponível para responder. O presidente reeleito Thiago Chagas, foi procurado sobre o assunto, não respondeu.

Desde 1996, apenas três prefeitos administraram o município. Raimundo Jean, Orlando Peixoto Filho e Ednaldo Ribeiro. Todos têm seus legados. Afinal, foram eleitos para construí-los. Por outro lado, os três têm em comum, o fato de não terem dado a devida manutenção aos locais com calçamentos em paralelepípedos mais antigos, que aos pouco continuam cedendo. E aí no período chuvoso, enchem de água e no verão, ficam a céu aberto. Em ambos os casos, causando transtornos e prejuízos aos transeuntes.

Por falar em asfalto, Cruz das Almas até adquiriu uma usina do produto. Segundo consta, estava abandonada. A atual gestão recuperou, fez bastante alarde, mas na prática, não vem prestando o serviço com capacidade para atender a demanda do município. Detalhe, a Rua Rubens de Oliveira (bairro Lauro Passos), apesar de mal sinalizada, é uma das poucas com pavimentação asfáltica, de ponta a ponta (não foi realizada nesta atual gestão). Passando por lá, parece ficar fácil entender, porque é bem asfaltada.

Voltando a falar sobre a falta de identificação das ruas… pense aí: se é complicado para os moradores locais e para os profissionais que trabalham com serviços de entrega, se localizarem, imagine para quem visita a cidade. Como essas pessoas vão conseguir se deslocar de um bairro pra outro, por exemplo, se quando olham para os lados, não sabem em que rua estão? – Só mesmo contando com a ajuda dos aplicativos de trânsito ou a boa vontade de moradores do lugar.

Dê um play no vídeo e confira mais detalhes

*Dell Santana é graduado em Comunicação Institucional e editor do Acesse News, (filiado a ABI – Associação Baiana de Imprensa).

Deixe seu comentário e compartilhe

Botão Voltar ao topo